Vai, coração burro…

On the radio: Lara Fabian – ‘Till I get over you

Aiai… estou conhecendo novos níveis de “canalhisse” masculina. rs… Pudera mesmo, afinal to começando agora, hehe. Bom.. digamos que estou, na verdade, reformulando conceitos. Eu achava que os canalhas nos usavam e depois nos mantinham… em banho maria… pra uma outra hora de necessidade. Mas me deparei com uma espécie que só pega uma vez, e depois ignora, como se nem conhecesse!

Fiquei surpreso… apesar de que já deveria imaginar que isso aconteceria. Minha irmã avisou…

Na vida, encontramos basicamente dois tipos de pessoas: aquelas que se apaixonam facilmente e aquelas que não se apaixonam facilmente. Eu, pra variar, faço parte do primeiro grupo.

Já ouviu falar de pessoas que “pegam, mas não se apegam”? Pois é… tenho uma inveja mortal delas! haha. Como eu gostaria de passar uma noite inteira com uma pessoa, sem esperar que ela me ligue no outro dia. E o pior: mesmo sabendo que o outro não vai ligar, ainda fico triste por isso acontecer. Por uns dois ou três dias, pode saber que não estou no meu melhor. Qualquer sinal, por menor que seja, já me deixa imaginando um futuro juntos… just like a stupid person would do.

Por outro lado, tenho uma ligeira impressão (ou esperança) de que nós, corações-moles, aproveitamos a vida ligeiramente mais do que os outros, os corações-gelados. Sim, porque estes últimos ficam com tantas pessoas, e se envolvem superficialmente com tantos, que, no fim, imagino que deve se parecer com “comida sem sabor”.

Já o grupo dos corações-moles se entrega de verdade. Sofremos mais, com certeza. Mas quando somos correspondidos, sentimos um grau de felicidade que os corações-gelados não imaginam.

Provavelmente, essa postura diante do “sentimento” deve ser a mesma linha que se adota perante a vida. Os corações-moles são esperançosos, sonhadores, bobos. Os corações-gelados são realistas, imediatistas, frios.

Mesmo sofrendo mais e quebrando mais a cara, eu ainda prefiro fazer parte do grupo que estou. Acho que pra ser um coração-gelado, tem que ter muita coragem.

Tanta coragem, que até parece negligência.

Anúncios
  1. Aiai… eu não sou fácil de apaixonar, não, pra falar a verdade! E consigo ser coração-gelado de vez em qndo. Assumo isso. Já vivi momentos ótimos com alguns caras, mas não me apeguei a eles.

    Só que, se eu gostar, ferrou-se!
    Sou uma burralda de marca maior! Sabe aquela coisa “De repente fico rindo à toa sem saber porquê”?
    Eis Lily Braun! Diante de qualquer paparicação, já fico tooooda feliz! Igual a uma retardada…
    Ou seja, coração-mole também.

    Amei o post, Du!

    Bjksss

    • michele costa
    • 4 de julho de 2007

    Eis mais uma para o time…

    Coracao muito burro!!!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: