O problema do planejamento

Listening to “Britney Spears – Do somethin’ 

Planejar é algo natural.

Sim, natural, porque está na natureza dos seres.

Vendo o Discovery Channel, percebe-se que até os animais planejam seus ataques e suas formas de defesa.

O problema surge quando o planejador é um ser humano. Não nos contentamos em apenas planejar o futuro… precisamos também imaginar como seria o passado se tudo fosse diferente! Duvido que um leão perca um minuto de sua vida imaginando como seria se ele tivesse comido uma zebra ao invés de um búfalo.

Agora.. qual o grau de absurdo dessa necessidade de revisitar o passado e especular o futuro?

É incrível o tempo que passamos (ou melhor, desperdiçamos) imaginando como as coisas seriam se tivéssemos feito outras escolhas. Quer dizer… você, escolheu, está escolhido! Não importa o quanto você imagine a outra possibilidade, ela não deixará de ser possibilidade até você AGIR na direção dela.

Acho que o point desse problema é o medo de falhar. Ao fazermos nossas escolhas existe sempre a possibilidade implícita de sucesso ou fracasso. E é aqui que reside o erro!

Recentemente eu li num post que “fracasso não é o contrário de sucesso. O fracasso é parte fundamental dele!” Claro! Pois acertar na primeira vez é algo extremamente raro, se não impossível.

E para endossar o suposto “fracasso”, sentamos e imaginamos como seria bom se nossa escolha fosse diferente. É nessa hora em deveríamos nos levantar e agir em prol do que acreditamos ser o certo. A escolha “errada” não foi tão errada assim, pois nos ensinou alguma coisa.

Acho que esta visão facilita muito nossa vida. Ao encararmos a falha como aprendizado, somem as frustrações, somem as tristezas, e o que sobra é conhecimento e know-how de como fazer certo. E esse simples know-how já é um sucesso e tanto, não é verdade?

Enquanto imaginamos a vida alternativa que teríamos com uma simples escolha diferente, nós perdemos um tempo PRECIOSO, um tempo em que poderíamos mudar a vida que tanto nos incomoda.

E, sim. Tudo na vida são escolhas simples … Desde a cor da roupa que você usa no dia, até a escolha da profissão que irá seguir. Afinal, se a partir de algum momento, esta decisão se mostrar equivocada, o que te impede de mudar a partir de agora?

So “…get up out of your seat. Why don’t you do somethin’?”

Quem é você?

Ouvindo: “Madonna – Sorry (Confessions Tour Version)”

Perguntinha simples… né?

Mas e se eu disser que não estou perguntando seu nome… nem sua idade… nem sua filiação… nem mesmo qual a sua profissão. Hehe.. agora tá apertando, não é mesmo?

Sempre que nos deparamos com a perguntinha deste post, imediatamente dizemos “Eu sou o Fulano.” Sou filho de X, trabalho na área alfa… tenho Y anos… meus hobbies são… enfim, todas referências externas. Será que nossa identidade precisa mesmo de um aval exterior?

Hoje, principalmente pelo modelo capitalista “de vida”, tendemos a nos definir pelo que fazemos. Você já reparou nisto? Nós nos reduzimos à nossa profissão, como se ela fosse a exata definição do que somos. E isso é um absurdo! Seria o mesmo que um neurocirurgião se reduzir a suas próprias mãos… ou um advogado se sentir perdido longe de um tribunal! E ainda que seja absurdo, acontece com mais freqüência do que imaginamos…

Mas realmente é uma pergunta difícil. Afinal, o que faz você ser você, eu ser eu, e nós sermos diferentes? Nossas experiências? Nosso mundo? Difícil dizer, né?

E talvez seja esse mesmo nosso objetivo no planeta… hehe, seria uma ironia interessante… Nascemos para descobrirmos quem somos! Mas não acho que seja assim… Algo me diz q nosso propósito é maior… e que descobrir nossa essência é só uma conseqüência no caminho.

Claro que é algo importante. Só conhecendo nossos defeitos podemos consertá-los. Mas também não acho que seja algo que mereça uma paranóia.

Deixe acontecer.

It hurts so bad…

On the speakers: “Nelly Furtado – Say it right”

Olá, pessoal!

Dia desses, eu estava assistindo Grey’s Anatomy (outra série que recomendo fortemente!) e o episódio era sobre a dor. Bem no finalzinho, uma das personagens disse que a dor era a forma do organismo nos dizer que algo estava errado, e que nossa função não era ignorá-la ou amenizá-la, e sim buscar a sua causa, para só então curá-la.

Isso me deixou pensando por vários dias… Você já parou pra pensar em quantas dores você já ignorou? Digo aqui não só as dores físicas, mas as psicológicas principalmente. E quantas dores você já curou antes do tempo?

Rs… antes do tempo implica em uma maturação.. e acho que é isso mesmo. Cada sofrimento que passamos pela vida tem o seu tempo de duração… e dura exatamente o período necessário para que a gente aprenda a lição que ele veio ensinar.

Mas, como em tudo na vida, nós podemos aproveitar ou não. Hehe, a boa notícia é que se a gente não aprende de uma forma, aprende de outra. Pode reparar: se você ignora uma dor, ela volta… diferente, mas volta.

A questão final é que, se algo tá doendo, é porque tem algo errado. Então, corrija o que está errado ao invés de só protelar a dor. Rs… eu mesmo to precisando aprender essa lição…

E onde estava a evolução mesmo???

Ouvindo “Luka – Sem resposta” 

Rs… até parece brincadeira…

No post anterior eu comentei da falta de interesse nas questões ambientais… e não eh q li uma matéria esses dias que estava comentado justamente isso?

Pois eh… no último Fórum de Davos nenhuma das nações participantes se dispôs a liderar a “revolução ambiental” que o planeta reclama. Todos concordaram que ela é necessária, mas ninguém quis assumir o compromisso…

Engraçado que eu não me espantei com essa notícia. É bem típico do ser humano estragar e não consertar. Infelizmente.

E há quanto tempo já se avisa dos perigos da exploração excessiva? Será que vamos ter que ver até onde vão as conseqüências pra só então aplicarmos alternativas?

Bom… se os homens querem assim, que assim seja.

On air…

Listening to “Regina Spektor – Fidelity”

bree2.jpg

Bom… hoje foi a estréia da 3ª temporada de “Desperate Housewives”… Cara, como adoro essa série! Acho q nela tem d tudo: drama, comédia, aventura… Sem contar que mostra as várias faces que o mundo feminino pode mostrar.

Justo no primeiro episódio, a Bree (uma das protagonistas) teve seu primeiro orgasmo. Detalhe: ela já está na turma dos 40 e é muito bonita! Putz… na hora eu achei mto hilário… Pq, pra quem não conhece a série (o que deveria ser repensado, pq ela vale mto a pena), a Bree é uma das personagens mais sérias e certinhas…. ao cúmulo de ser obssessiva por organização!

Pois então… o cara que estava com ela queria fazer sexo oral. E ela, CLARO, “republicana” como ela mesma se definiu, não qria deixar… mas então cedeu! rsrs.. então quando ela chegou ao clímax, saiu correndo pro hospital, achando q estava tendo um ataque cardíaco! Minha gente… a enfermeira explicando a ela q akilo era um orgasmo foi MTOOO bom!

Mas a questão é que o pior de td é q isso não deveria ser engraçado… Ficou engraçado pela situação q criaram, mas eu sei que existem mulheres que são como ela… e outras que nunca nem experimentarão um orgasmo na vida!

Eu sou gay… e já ouvi dizerem que os gays gostam tanto das mulheres por desejarem ser elas. Eu discordo! Sou homem, e sou feliz por ser homem… e sou feliz por gostar de homens… mas isso não impede q eu admire as mulheres, na intensidade com que elas merecem.

Analisando friamente, as mulheres são extremamente mais fortes que os homens. Fala sério o tanto de coisas que elas enfrentam! Menstruação, gravidez, parto, cólicas, TPM, amamentação, homens canalhas, jornada tripla de trabalho… “e tudo isso com um salto 15”! Isso é ou não é digno de admiração?

E os homens? O que é que nós podemos encarar que se compare com a vida feminina? Pressão no trabalho? Obrigação de sempre apresentar uma ereção qdo preciso? Não acho q sejam suficientes…

Então é por isso q meus “maiores amigos” são mulheres… São fortes, batalhadoras e conscientes de quem são. Ao contrário dos homens, que na maior parte do tempo estão tentando mostrar algo que não são.

E apesar das mulheres serem tudo isso… n recebem o tratamento adequado dos homens… nem o necessário para fazê-las gozar!

E isso é lamentável!

Finalmente, a evolução!

Uau…

Estava eu passeando pela net, lendo alguns sites de notícias e eis que vejo a manchete: “Justiça reconhece união homossexual estável em GO” .

E não é a 1ª vez que vejo algo desse estilo neste ano de 2007! Por incrível que pareça, até em Israel já reconheceram uma união homossexual!

Sem querer me antecipar à evolução mundial (pq eu sei q ela eh lenta, tão lenta que às vezes parece regredir!), mas creio já poder ser possível entrever uma luz que se aproxima!

Particularmente, acho um absurdo extremo essa dificuldade em reconhecer o direito dos homossexuais. Já foi o tempo em que o Estado podia intervir na vida particular de forma decisiva! Ora, se eu decido que quero me casar com alguém, de onde vem a permissão de outra pessoa dizer que não posso?

Acho que a questão é ainda mais profunda… envolve toda a questão da teoria da “OPÇÃO sexual”. Imagino que as pessoas pensam que, se alguém escolheu ser gay, então a sociedade pode escolher o tratamento que será dado a esse alguém. Mas, cá entre nós, sabemos que não há escolha alguma, neh? Pelo menos eu, enquanto bebê, não recebi nenhum questinário que versasse acerca da minha sexualidade…

Outra coisa: já eh hora da SOCIEDADE superar esse trauma, neh? Nas questões importantes, como o combate à pobreza e a preservação do meio ambiente, testemunhamos um individualismo sem tamanho. Aí nessas horas em que cada um devia cuidar da própria vida… mas que bom que as coisas parecem estar mudando.

Podemos perceber uma mudança de compreensão no mundo todo.

Sei que as mudanças são pequenas… mas com o tempo, se tornarão significativas!

E, indubitavelmente, chegará o dia em que um casamento gay não mais será manchete.

Bjs

PS.: Ouvindo “Geri Halliwell – It’s raining men”, soh de pirraça desses legisladores e juizes!

Premiere!

Oi pessoal

Então… primeiro post! rs

Bom, esse eh meu primeiro blog… e ainda n sei exatamente qual rumo ele vai tomar… Time will tell.

Algo que me intrigou logo no início foi uma pergunta do próprio cadastro do blog… sobre a minha biografia!

Caraca… será que aos 19 anos eu já teria uma biografia? haha.. acho meio cedo. Por outro lado, as experiências que eu passei, creio q sejam comuns a muitas pessoas… então me questiono sobre a utilidade de uma biografia assim…

Mas quem sabe, escrever aqui me ajude a descobrir algo mais sobre eu mesmo. Claro, porque para escrever, inúmeras idéias passam pela cabeça, inúmeros assuntos se colocam como relevantes, mas pra postar mesmo, é preciso pensar e selecionar o que vai e o que não vai. E é nessa organização “involuntária” que eu imagino o surgimento de mais e mais pedaços da personalidade do Du, hehe.

Não! Ao contrário do que parece, não sou nem um pouco indeciso ou confuso. Eu sei o que eu quero, e corro atrás do que me apraz. Mas vamos lá: quantos podem dizer que realmente se “conhecem a si mesmos”? E é em busca disso q eu estou.

Mas, assim como na busca da felicidade, no conhecimento de si mesmo o que importa eh o caminho trilhado pra chegar lah, se eh q “lah” existe nesse contexto!

E ao som de “Madonna – Music Inferno (Confessions Tour Studio Mix)” me despeço neste primeiro post!

Bjs